terça-feira, 4 de agosto de 2009

Enquanto isso, na estacao de Tottenham Court Road...

...um musico toca 'Hey Joe' para os maratonistas do cotidiano.


video

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Sou apenas uma latino-americana

Cheguei a Heathrow. Como de costume, fui parada logo na saida da aeronave. Um oficial me levou para um canto e perguntou sobre o tempo da minha estadia. Apos mostrar minha passagem de volta ao Brasil, fui liberada e encaminhada para a longa fila da imigracao. Tinha em maos as copias das passagens correspondentes aos vistos carimbados em meu passaporte. Ida e volta. A minha intencao era exatamente provar que respeitei todos os prazos estipulados pela imigracao inglesa. Tinha ainda os documentos que comprovam que estudo e que ha motivos (alem de morar na cidade maravilhosa de um pais tropical abencoado por Deus) para que euvolte ao Brasil.

Depois de uns 30 minutos, sou chamada ao guiche. Fui entrevistada por um senhor de cabelos brancos, oculos e tique nervoso na boca. Ele analisava os meus documentos e me fazia perguntas sem se importar muito em olhar pra mim. Apos responder todas prontamente, fui informada de que precisaria prestar maiores esclarecimentos. Ate ai, tudo bem... se quisesse perguntar mais, estaria disposta a responder. Mas nao foram apenas perguntas...

A detencao durou mais de 3 horas. Eu fui revistada, minhas malas foram revistadas, tiraram minha foto e impressoes digitais. Nunca estive em nenhuma situacao parecida em quase 30 anos de vida. Nunca me senti daquela forma. Wayne tambem foi chamado e interrogado sem que eu soubesse. Fiquei detida em uma sala com outras duas mocas. Quando entrei nao nos falamos ou nos olhamos. Nao sei exatamente por que. Mas talvez a sensacao de constrangimento nos levasse ao silencio absoluto.

Assim como fui questionada sobre os motivos que me trouxeram aqui, comecei a questionar os motivos que levaram os oficiais a colocarem nos tres na mesma sala, na mesma situacao: Eramos tres mulheres jovens, viajando sozinhas e somos de origem latina. Eureka!!!

Nossa detencao era derivada da possibilidade de nos fixarmos aqui no Reino Unido, de fazermos parte da massa de imigrantes ilegais que povoa Londres. Nao posso responder por elas, mas afirmo categoricamente que nao era esta a minha situacao.

Apesar do incoveniente da situacao, nao nego que fui muito bem tratada pelos oficiais. Sucos, sanduiches, biscoitos, lencos de papel para enxugar as lagrimas. Acredito que isto seja uma forma de atenuar o desconforto ao qual estavamos expostas. Apos algumas horas, o velhinho que me entrevistou surgiu na porta da sala. Nao consegui conter o meu olhar de raiva. Aaah se meu olhar tivesse laser...

Ele olhou pra mim com uma docura antagonica a arrogancia anterior e pediu que eu nao o olhasse assim, que nao ficasse chateada... disse estava apenas fazendo o seu trabalho. Falou que me liberaria e me deu um documento dizendo que eu estive detida por causa de um paragrafo de alguma lei que eu nao sei qual e.

Antes que saisse, entraram dois homens. Ficariam detidos na mesma salinha... Pensei que talvez tivesse julgado mal os oficiais. Nao eram apenas mulheres jovens e latinas. Detiveram homens jovens tambem. Antes que, mentalmente, me punisse por acreditar que era vitima de preconceito, um deles me perguntou: 'Are you brazilian?' Diante da minha resposta afirmativa, ele disse: Eu tambem sou! O outro homem era mexicano.

Maratonista



Na tarde de terca-feira, 21 de julho, comecava minha batalha eterna contra o relogio. Ainda nao sei que misterio e este que envolve os numeros. So posso dizer que eles entram na minha vida sempre pra atrapalhar... Sao os horarios que nao consigo seguir, o dinheiro que nunca e suficiente, a conta do bar que sempre me enrola. Mas enfim... deixando minhas dificuldades matematicas para um outro momento, comeco a falar sobre a minha quarta viagem a 'Terra da Rainha'.

Atrasadissima, como sempre, corria pelas ruas de Ipanema na esperanca de comprar cigarros baratos. Me senti uma maratonista ou coisa assim, passando o bastao para o atleta com pernas longas que estava ao meu lado, o que obviamente lhe dava enorme vantagem. 'Corre Juliana' dizia um solicito amigo, chamado Octavio, que foi testemunha dos meus esforcos, quase frustrados, em chegar ao aeroporto em tempo. Mas o primeiro obstaculo foi superado.

Por fim, consegui chegar ao Galeo sem maiores problemas. Check-in feito, despedidas realizadas... O primeiro obstaculo da maratona fora superado. Entrei no aviao sem ser a ultima a embarcar. Depois de rezar muito, como e meu costume, comecei a pensar na proxima fase da jornada...

O segundo obstaculo seria o longo voo: mais de 13 horas ate chegar a Inglaterra. Ao longo de tanto tempo, tudo o que voce quer e fazer o tempo passar um pouco mais rapido. E pra isso, vale tudo: apertar todos os botoes da poltrona, tocar o monitor que esta a sua frente trinta vezes e conhecer todas as opcoes de entretenimento, olhar as revistas com promocoes da Duty-free mesmo que voce nao compre nada, tentar dormir e ser acordada pela pela pessoa que quer ir ao banheiro, olhar o mapa virtual para saber qual localidade esta sobrevoando, tentar ler o livro que acabou de comprar. Mas nao adianta. Os numeros continuam tornando a viagem longa. As horas nao passam... neste momento voce se sente 'Alice no pais das maravilhas' onde tudo o que e grande fica pequeno. Os pes estao enormes e a cadeira confortavel, mais parece aquelas cadeiras de manicure. Tudo o que voce pensa e: ' Nao vejo a hora de chegar em Londres, preciso de um banho e de comida decente!' Nao imaginava que o terceiro e maior obstaculo desta maratona estaria por vir.


Sem acento e sem cedilha



Depois de algum tempo tentando imaginar como seria atualizar o meu blog sem o meu querido teclado brasileiro, deixei de lado a vergonha em escrever. Resolvi dar mais valor a mensagem.

Nao, nao me inspirei em Paulo Coelho e sua colecao de ataques ao bom uso da Lingua Portuguesa!

Calmaaaa!!! Quero deixar claro que respeito as escolhas de cada um em ler o que quiser. Eu mesma li muitos de seus livros na adolescencia. Apenas lembrei de um trabalho do ensino medio cujo objetivo era apontar os erros ortograficos encontrados no livro 'O Alquimista'.

Diante da minha atual dificuldade em escrever corretamente textos em minha lingua, me sinto ate um pouco solidaria ao mago. Talvez ele tenha escrito alguns de seus livros em condicoes parecidas com as minhas: em um teclado configurado para o ingles.

Enfim... depois de todo este rodeio, so quero pedir desculpas pelos textos que ainda escreverei. Isso mesmo... acabei de escerever um post so pra pedir perdao pelos outros que virao. Todos eles ficarao tanto ou mais estranhos que este. Mas acredito que seja valido colocar aqui as minhas impressoes assim mesmo...sem acento e sem cedilha...